Meu problema todinho é não saber ficar quieta

Se vovô tivesse vivo ele diria: "-Essa menina é assim , por que a mãe não botou a enxada na mão dela, por isso que ela vive com a cabeça no mundo da lua."
Vovô me levou várias vezes ao roçado, na maior tentativa que eu me apaixonasse por algodão , milho, e outras plantações dele.Eu ia ao roçado como quem vai a um passeio , e  quando vovô me via pegada com os  livros perdia o entusiasmo e  dizia logo: "Ela está enfiada na vida da preguiça, só vive com livros." Danadinho da vida ele ficou foi no dia que eu arranquei toda a vida das batatas dele quando eram ainda folhas,sem tubérculo algum...Justamente por que eu vivia com a cabeça na lua e entendi errado o que era para fazer.
Já vovó era uma mulher que adorava conversar sobre minhas piruetas. Vovó gostava de poesia, era uma mulher  super sensível, e adoraria ouvir minha nova arte. Sempre vou sentir falta visual deles, mesmo assim em tudo o que faço  nunca deixei de  sentir  a participação deles...Apesar de eu ser feliz admito que a  minha família ficou bastante sem graça sem os meus avós a olho nu.
Pois é...Eu olhava para o violão e ele para mim. Não tinha o que fazer mesmo, aprendi umas notas na nossa net da vida e eis o resultado : DEIXA O BAIANINHO FALAR COM DEUS
Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.