A PLENÁRIA EM GUARABIRA

Apesar de ter recebido o convite não pude ir ,por que a minha nora que já vem doente há alguns dias, teve uma piora  e eu não me senti bem em deixar a neta ao acaso das dúvidas, se a Dani precisasse ir para o hospital, sabe Deus onde Joana Izabela se soltaria sem o pai estar em casa . Para piorar ,meu telefone descarregou e não tive mesmo como ligar para dar uma satisfação.
Infelizmente, pelo que li o pessoal da situação e outros vereadores não compareceram à plenária com o governador , coisa que não sei o motivo, mas acho que por que enfiam na cabeça que tinha jogo de marketing de Ricardo para o aumento da sua popularidade. Não descarto a possibilidade dessa intenção do governador, mas em todo caso deveriam ter ido,  por que se ele veio trazer a imagem de próximo e oferecer união e progresso, não seria nada demais o pessoal aproveitar a chance. Não há porquê não comungar da democracia quando o interesse é o avanço do município, porém isto de prefeitos e governadores se afastarem  acontece nos maiores municípios, nas maiores capitais e com os maiores políticos. Principalmente quando o poder maior interfere  no município, tira um e bota outro no emprego, dá mais chance ao lado que o apoiou e todas as outras coisas que sabemos que acontecem por pura resposta a quem não votou no cara. A política do desemprego sempre vai deixar sequelas que separam os poderes de legendas distintas.Infelizmente, o nosso estado sofre isso, por que não chegou a política do emprego...Há sempre alguém esperando pela vaga de outro alguém, quando ocorrer a troca dos poderosos, mas a verdade mais nojenta que o poder não mudou  a cara de ditadura é que : Quem vence quer mandar até demais, quem acreditou nas promessas se humilha por uma oportunidade e a maioria dos que apoiaram o vitorioso leva a lista do tira fulano para beltrano entrar.
Tudo isso acontece por que Federação, Estados e Municipios não  criam novos empregos, não trazem fábricas , não  investem na parceria público privada, não coordenam intenções para a autonomia profissional, não investem na tecnologia para o campo, não  capacitam os jovens que terminam o ensino médio, não  abrem cooperativas, não  renovam as demandas de mão de obra e não  criam projetos para os profissionais que estão desempregados.Tudo o que têm como emprego são os poucos cargos públicos...É por isto que a cada troca de poderosos, um eleitor chora e outro sorri...Depois o que sorria volta a chorar e o  que chorava volta a sorrir. Infelizmente a miserabilidade do cidadão, causada por empregos incertos e com prazos de validade, faz muito bem ao poder...Enquanto tiver miseráveis, haverá a condição de se vencer campanhas com promessas de emprego. Mas não é de emprego, é de desemprego do outro. Isto chega a gerar uma situação de um cidadão odiar o outro...Por que é a lei da sobrevivência que vem da bandeira partidária, gente! Isto é triste, desgastante, humilhante para o povo do nordeste do país.
 Devemos cada um ter a nossa opinião, a nosso fidelidade ao partido, a nossa postura, mas na hora de resolvermos o melhor para o povo , deveremos estar em todos os lugares, mesmo que o adversário sente ao nosso lado, cada um deve estar agindo como responsável,  educado e moderno. Imagine se os veradores , por seus partidos distintos nunca se reunissem, se os senadores por suas idéias diferentes nunca se comunicassem, se os deputados por suas disputas, jamais chegassem ao entendimento...Estaríamos com um Brasil mais parado que cabelo na brilhantina.
Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.