PARA QUEM SABE LER MANSINHO

Poesia, meu amores..E muita poesia, para que os nossos dias não sejam definhados pelas moléstias,corrupções , desigualdades e hipocrisias.
Há quem pense tão mal de nós poetas. É como se fôssemos a fresta que deixa o sol incomodar a testa daqueles que amam a carrancuda razão. Mas não desistam,amados, dos seus laços com o mundo das letras, e façam uso do bom bocado humano,porque este é o nosso bocado que descabela quem não amansa a alma da mioleira, tão pouco extermina-se entre os vermes das nações. Aos versos comigo,queridos...Há muito Aspásia despediu-se do sofistas que bebiam no sarau:

  Mentira Aberta 

Antes que você chegue,Emanuel...
Lentamente, e sem saber que é Deus quem quer
Ele que crê em você, aliás em mim, reza por nós.
Xeque, não mate o meu disfarce 
Ao lado do meu amor que é anjo amigo
Nem lhe diga como à torre,
Deste grego com quem mergulho,
Respiro o mundo que finjo
Em demandas de orgulho!

Leva-me à pungência dos meus ais
Uma vez mais, em remissões,
Zoroastro da ré filosofia!
Mas, aquieta em meus lábios
Instantes das fracas confissões
No beijo que ainda quero nativo,
 Antes menos que hoje,
No amanhã que muito mais espero...


  To Domitila Belém for .................
Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.