CHUVA

Chuva...
Quando chove ...
Não sou feliz por sede nordestina
Mas pelos  avanços da calmaria
No  tempo de agora
Há tão pouco,
O tempo que eu vivi...
A chuva tem esse dom de abraço
E de toques de mãos,
Mãos que se querem,
Disfarçadas em quase não  toques.
... Mãos que  se afastam
Para suspirar novos toques
toques que demoram...
Mãos que  quase não se tocam mais
É o medo das retinas
E das dúvidas no outro
São os termos do agouro
Que há nas vestes do ausente
...
A chuva ...
Só ela tem certa piedade
Piedade mórbida e  movida
Do destino que não seria
Os rumos dos nosso planos
E ,pelos panos dos versos,
Agora Ouço apenas a chuva,
A chuva dos planos do céu

Chuva...
E quando chove...
Não haveria como entender
O cheiro saudade que  existe no adeus...

Conheça a música Chuva neste lindo vídeo, um fado português cantado por Mariza


Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.