UMA LOUCURA DE AMOR


 Desde criança ela desejou ser escultora, sua mãe não concordava, mas o pai era carinhoso e apoiava o sonho da filha.
Ela só tinha 19 anos quando conheceu um homem 24 anos mais velho que ela. Ele era um grande escultor, ela passou a ser sua aluna e sua amante. Apesar de ele ser o mestre, ela era quem esculpia ,muito melhor que ele, as mãos das maravilhosas obras de arte , pois, ele não tinha tanta habilidade quanto ela para fazer mãos tão perfeitas.
Viveram uma história de amor e trabalho, mas ele nunca abandonou Rose , a amante mais antiga, com quem viveu 53 anos e com quem  casou poucos dias antes da morte da amante preferida.
 O amor da aluna conheceu o   ciúme , por saber que ele dormia mais apegado a  Rose. Beuret Ela  permitiu que o ciúme consumisse a sua alma ...Até que passou a sofrer não só das dores de amor, mas de outro tipo de dor :  os apreciadores  e os críticos passaram a perceber a semelhança entre as esculturas dela e as do "mestre". Como ele já tinha um nome consagrado, ela foi acusada de roubar e copiar a inspiração   "dele"...
Abatida como criatura, sem ter o amor do homem que amava. Mais abatida ainda  por não  ter a glória da arte que sustentava o seu mérito de criadora.
Ele resolveu colocar fim no romance. Ela passou a odiar o homem que mais amou, por que o desprezo dele  transformou a saudade que ela sentiu em doença e ,por vontade de esquecer o quanto o amava,  ela destruiu grande parte de tudo que esculpiu enquanto vivia  inspirada no amor que sentia por ele.
Afastada do homem,.volta a se dedicar  ao trabalho.  Confinada na dor da saudade e sem se alimentar corretamente, ela conviveu com a escultura, os gatos  e a loucura.
A família que ela tanto amou decidiu mandá-la para o hospício e esquecê-la.  Paul Claudel, o irmão que ela venerou e que ,de tanto venerá-lo, esculpiu o busto dele( Paul aos treze anos) tornou-se famoso e poderoso, embaixador da França, mas nada fez por ela...Na verdade, o canalha negou até pagar a pensão hospitalar para que a irmã fosse tratada.
Camille Claudel foi a mulher que fez a perfeição das mãos de muitas esculturas de Auguste Rodin...Mas ele foi quem  ficou com a fama e com a grana, afinal foi ele quem fez O pensador
Camille  morreu em 1943, aos 78 anos. Foi  enterrada como  louca, pobre  e  desconhecida....
Rodin está  "dormindo" enterrado, na mesma sepultara em que Rose foi deitada como a mais amada. Estão felizes para sempre...
Meninas, não chorem! Não se desesperem! Não sofram tanto por homens interesseiros. Homens que gostam dos atributos financeiros ou dos talentos profissionais de uma mulher querem melhorar as vidas deles , suprir as fraquezas deles. Esse tipo de homem não merece o amor de uma mulher...Há um canalha em cada esquina dos séculos, queridas. Por isto, eu trouxe para vocês a história de Camille. Fiquem atentas, porque  também há canalhas contemporâneos que  não precisam de melhores mãos para as  esculturas, mas são homens que gostam de mulheres com melhores condições financeiras que as deles, mulheres famosas, mulheres que têm uma herança garantida...Tal qualidade de homem é conhecida como  oportunista    "romântico". Homem de verdade procura, encontra e vive o amor. Homem de verdade não precisa tirar  vantagens do amor de uma mulher. Homem de verdade compra o pão da dignidade  e, como prêmio,  busca colo, atenção e carinho.
Vocês querem  saber mais sobre a história  da escultora ? Assistam ao  filme Camille Claudel. Vejam fragmentos do filme: 
Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.