NÓS MANDAMOS NO GLOBO



Tudo que é simples é belo!

Não sei por que os ricos se acham e são tão metidos a donos do mundo. Na verdade são nossos escravos, pois  nós pobres ditamos o que vai rolar em muita quantidade no mercado, e eles já que correm para a fabricação do que queremos e   gostamos. Prestem bem atenção no que fazemos... Este nosso jeito berrante de sermos sem frescura fez com que o verde-limão e o laranja quebrassem o branco total dos móveis para cozinha... Ou vocês acham que tais cores berrantes chegaram sobre o clean para agradar as madames?
Hoje estava lembrando como somos fortes no mercado, e como a indústria nos atende... Nós marcamos a história com a calça jeans: US TOP (que a chamávamos de uéis tópi ), Lee , Levi’s. Durante toda minha vida, nunca vi a morte de uma calça US TOP...Só se foi queimada ou toda picada a tesouradas ou enterrada inteira. A bicha foi feita para durar até o dono morrer.
Ficou molinho de escolher tênis, depois que graças a Deus nos livramos da conga e do  kichute. Geralmente na volta às aulas, encomendávamos: - Mamãe, eu quero um Adidas, ou um Topper ou um Rainha. Depois aprendemos a falar All Star. As meninas mais femininas esqueceram os tênis, e passaram a calçar Melissa, Picadilly e Funny.
Perfume? Meninoooooo, só dava AVON na nossa vida: Charisma, Toque de amor e Timeless( este era uma desgraça que tinha cheiro de conhaque de Alcatrão com sabonete Phebo) e Musk ( que eu acho que não passa de uma mistura de óleo de cravo, chá de boldo e um tiquinho só álcool). Depois aprendemos a ir ficando mais “joviais” e silvestres e impregnamos os ambientes com Contouré (era cheiro de lima e limão com chá de erva cidreira pra todo lado, por que o Brasil quase todo usava essa catinga nacional), Vinólia ou Lancaster (esse é a cara do Reginaldo Rossi) e nunca compramos Chanel, pois as meninas dessa geração usavam muito desodorante Impulse. Melhorou a nossa época e conhecemos O Boticário, aprendemos a falar Free bem ligeirinho ,nunca que falamos FRÊ Ê, mas Free de Free não tem é nada...ô bicho forte da gota serena!

Nossa cara adolescente levou muita chamuscada de algodão embebido em Leite de Rosas. E esfregamos muitas dedadas de Pomada Minâncora sobre as espinhas. Quem era um pouquinho Patricinha, por ter pai que ganhava uma graninha a mais, ou bem menos Patricinha e que foi trabalhar em casa de família, tinha uma latinha de Creme Nívia dentro da bolsa. Mas o campeão de todos os produtos que usamos na pele foi Bronzeador de BETERRABA...Putz! Voltávamos da praia com a mesma cor do frango assado na máquina: caramelo crocante ardente 100 C°
Nós comprávamos tabuada e cartilha do ABC...Ah, lembro até hoje da capa da cartilha...
Cabelos? Óleo de Lavanda, Óleo de Mutamba, Creme de Mocotó, shampoo Colorama, Pomada Trim, Neutrox 1 e 2...Agora é SEDA,  PANTENE, ÈLSEVE,CREME PARA PENTEAR, ESCOVA DE TUDO(açúcar, uva, chocolate,morango)...Melhorou demais, né?

Remédios? Tem certeza que é bom relembrar isso? Não, não, não, não queria lembrar disso não. Nós somos um pote furado de Tetrex! Um bebedouro estourado de Emulsão de Scott . fármacos que fizeram“sucesso” também. Este último tanto na geladeira da humildade quanto na minha bunda, por que levei muita chinelada para engolir essa coisa.Eu apanhei tanto para engolir esse suco de Hitlerrrrrrrrr ...Ô coisa ruim: peixe cru com leite de Magnésia batido no liquidificador, só pode ser com essas coisas que fazem esse suco do diabo. O Bitotônico Fontoura até que descia bonzinho...Ascaridil só dava errado... Se tivesse lombriga, nunca que a condenada saia desmanchada, era iiiiiiiinnnnteiiiiiirinhaaaaaaaa. Ô carreira no quintal...E com aquela satanás pendurada, a mãe chamando aos berros e alguma vizinha fofoqueira rindo de morrer. Eu odiava Ascaridil, muito mais que Emulsão de Scott, por que odiava também aquela vizinha miserável que ficava comentando essas coisas das lombrigas dos outros. Usamos Mertiolate até umas horas e pulamos até outras horas depois dele... A mãe da gente já dizia antes de passar: Vai arder, mas eu vou soprar... E dava tempo de soprar? Quando ardia, a gente pulava logo! O melhor remédio que conhecemos foi Sal de Frutas Eno (eu subia na cadeira e pegava o vidrinho na mais alta prateleira da farmacinha). Planejava testar isso com café, por que achava que ia virar Coca-Cola, mas a abestalhada da minha prima falou tal coisa  para mamãe e o Sal de Frutas Eno desapareceu da farmacinha.
Bem, está ficando gostoso lembrar tudo isso? Pois é...Nós ditamos a moda, o que vai para a prateleira  e até o que está sobrevivendo há anos na farmácia. O comércio se repete para ter o pertence dos   nossos costumes,  e se renova para suprir as  nossas expectativas . O que pobre gosta é o que mais se fabrica .Rico que se vire para comprar o pouco que é feito só para ele e por isto mesmo, pouco vendido e muito mais caro.









Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

0 comentários:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.