Não mexa no meu sonho





Jamais toque no meu sonho


Porque ele é livre
         Não ...Ele não reside nas suas gavinhas

E,
           Se acariciado,
           Por elogios  de estágio,
 Não terá o" bom efeito"
          De
Manter-me com
          Certo
jeito
 Quase
“Agradável”!
         De ser levada
Ou sei lá...  De adquirir esse jeito
           Que você acha que serve...
          Para mim,
          O jeito ,do jeito  que você escolhe,
           pode ser sufocante!


Meu sonho tem asas

E o voo é meu!

Se você não é o vento

Não sopre de brincadeirinha

O meu sonho!

.

Meu sonho ?!

Você é louco?

Passar a mão nas
         Entranhas dele
         E não ter beijos
Com  lábios confortantes?
Ele não merece estupros
          Nem abortos
Ele é tudo

Por que com ele

Eu chego em pé

Onde eu quiser pousar
...
Ele tem responsabilidade

Com a minha vida,

Jamais com os planos

De quem quer mover-me

De cá para lá,
Como boneca
Languida



Ele não é

Para os motivos alheios,

Nem que  sejam os motivos

Que você acha os mais belos,
Por que para mim podem ser  os mais feios!

Ele, o meu sonho, 

 É o organizador

Da minha paz

Dentro do pior dia

Que a vida possa

Exibir para a minha causa.

Não toque no meu sonho
Como se ele fosse quase nada!

Não me prove

E não deixe pistas

Que você fez uso dele

Com qualquer desatenção

Porque isto tem o poder

De me fazer saltar abismos,

Mas não tem nada

De certo peso plúmbeo,
          Nada de
Um poder que consiga

A minha estática
          Ou consagre a  sua conquista

Não masque

Nhac nhac nhac

...

(Com astúcia )

Nenhum pedaço do meu sonho

Não gosto de dentadas!

Não o quero molhado pelo cuspe
Da boca que fala
          E que não teme
         Não cumprir os verbos.
Suas dentadas ferem as minhas asas

Assim, pular para mim é quase nada

E, se eu voar ou não,

Será para "qualquer" Nuvem
          Do único homem que sei
          E sinto como dono do meu céu
Porque é apenas nele

Que encontro
         O mesmo homem
          Com o  mesmo sorriso
         A serviço da verdade.
            Fora ele
Só vejo o pulo

  Para o fundo dos rios secos

Onde olhar os olhos
Dos homem vivos
E dos farsantes  mortos

Não é doce hipocrisia

Nem charme

Nem movimento frio!


Não mexa no meu sonho

Para depois tentar

Reanimar a minha confiança

Porque ela não é recomposta

Com a goma das desculpas

Nem é julgada nas tribunas



A hipocrisia me irrita

A frieza me agita

Falas são falas

Malicias são  malicias

Coisas iguais
          Que, se descobertas,
          São coisas distintas
As falas bondosas aconchegam,
Já as malícias...
        Provocam a minha partida,

Provocam de maneira

Tão insultante

Que desfazem a minha crença
           E o meu bem querer

Desfazem o meu restante...
          Que poderia  levar-me até você.


* A única bondade das feridas é que elas atiçam a  minha  inspiração de escrever, e de entregar ao mundo o que eu sou por dentro.

Edilene Amaral









Postar no Google Plus

About Edilene Amaral

Edilene Ziza do Amaral,carioca doada para o estado da paraíba,filha de Dona Maria Ziza e Sr. José Amaral, mãe dos príncipes Sergio e Levi.Servidora pública do municipio de Sertãozinho-PB,Técnica de Enfermagem da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, leitora sempre curiosa, automaticamente uma escritora viciada.Sindicalista, filiada ao PMDB, eleitora enjoada e exigente, sem preferência e sem doença por candidatos malas. Não comprada por corruptos Quando escrevo poesias costumo assinar como como Domitila Belém.

1 comentários:

  1. Olá minha querida amiga, Edilene.
    "Sonhar não custa nada o meu sonho é tão real...".
    Mais gostoso do que sonhar é a realização de nosso sonho. Beijos

    ResponderExcluir

Faça o seu comentário.